LED: o que você precisa saber

Lembrem-se de uma vitrola ou som antigo, que tinham em casa na infância, e daquela pequena luz vermelha que ainda acendia mesmo depois que todo o resto do aparelho deixou de funcionar, sinalizando que estava ligado na energia.

Ulysses51

Sim, o LED está presente em nosso cotidiano há muito tempo, porém nas últimas décadas a tecnologia foi se agregando a outros segmentos, inclusive ao de iluminação. As lâmpadas alógenas, conhecidas por esquentarem demais, como aquela dicroica que todo mundo reclama que esquenta em cima do sofá, foram sendo substituídas por LEDs com seus formatos e características que se aprimoram a cada dia.

Você de certo já viu uma ‘lâmpada de LED’, repleta de pontinhos semelhantes aos dos aparelhos antigos. Muita gente que comprou dessas reclamou que duraram pouco ou não fizeram um bom efeito e não iluminou como esperado. Isso ocorre pois a tecnologia empregada nesse tipo de LED não é adequada para iluminação. Temos aí a primeira desmistificação sobre o LED: não, não é tudo igual.

Embora o termo LED (Light Emitting Diode) se aplique em várias tecnologias, saliento que o melhor caminho para fazer uma boa adequação e substituição das lâmpadas dos ambientes é sempre consultar o fluxo luminoso proporcionado pelo equipamento, bem como a quantidade de horas diárias de utilização, em que é baseada a sua durabilidade em anos.

Antes, popularmente utilizávamos a unidade Watt para substituirmos as lâmpadas incandescentes pelas FCE (Fluorescente Compacta Eletrônica). Lembra? Comprávamos uma lâmpada de 23W para substituir uma de 100W, por exemplo. Hoje existe uma gama imensa de fábricas e marcas que trazem o LED para o mercado, logo, há também diversas maneiras de empregar a tecnologia para o funcionamento deste, como alimentação energética, voltagem, fontes, transformadores e outros insumos que fazem a eletricidade passar pelo diodo e acendê-lo.

Assim, a questão do Watt se emprega muito mais ao consumo energético do que a eficiência luminosa, grifando a importância de sempre averiguar o fluxo luminoso de cada produto.

Angulações, projeção, fluxo luminoso e consumo são fatores muito importantes para que a economia que se espera na substituição por LED seja expressiva e que o payback exista e seja o mais breve possível, além de tornar a eficiência e o conforto luminoso os principais focos de seu ambiente.

Informe-se com um luminotécnico!

Ulysses