[Marketing] Lowsumerism e o consumo consciente

Desde minha primeira coluna nessa revista tento abordar tendências em marketing, consumo e comportamento. Durante esses dois anos, abordamos tecnologia, o conceito de sharing, cross, micro e macrotendências de varejo.

hand holding tiny shopping bags on plain pink

Sem dúvida, o tema dessa coluna é dos mais importantes para nós. Primeiro porque influencia diretamente o consumo, segundo porque ao atingir o consumo beneficia o meio ambiente e terceiro porque nos faz questionar o que realmente é importante em nossas vidas.

Mas afinal, o que é Lowsumerism? É a ideia de consumir menos, de viver com o que realmente importa e é essencial. ‘Low’ significa baixo e ‘sumerism’ seria uma abreviatura de ‘consumerism’ que, traduzindo, é consumismo.

A lógica é simples. Embora não lidemos com a verdade, todos sabemos que consumir algo não pode nos tornar mais feliz, mas por minutos – e talvez dias – um produto X dá uma sensação de bem-estar.

Embora essa sensação exista e por vezes gastamos um valor significativo de nosso recebível em bens de consumo, lembre-se que o seu ativo mais valioso foi quem permitiu comprá-lo.

Sim, você gastou o tempo trabalhando para comprar um produto que causa bem-estar momentâneo. Não seria mais prudente encontrar felicidade em coisas gratuitas, em pessoas ou em um hobby com os princípios maker/DIY (os famosos ‘faça você mesmo’)?
Como isso influência você e seus negócios? Com o crescimento do ‘sharing’, você não deixa de consumir, você deixa de ter, e o conceito de posse não faz parte do desejo humano. Queremos usar quando precisamos.

Quais os benefícios? O meio ambiente agradece – e muito. Consumimos menos, gastamos menos água para produzir e produzimos menos lixo do consumido. É um ciclo virtuoso. Gastamos menos, não precisamos ganhar tanto para acumular bens, logo, temos mais tempo para viver com o que importa. Filhos, amigos, pais, pets e tudo que nos faz feliz na essência.

Vamos viver essa onda até ela virar hábito! Não é uma tendência, é uma necessidade. Vamos trocar, compartilhar, emprestar, reutilizar, fazer nós mesmos. Tudo isso vai permitir que nossos filhos e netos vivam em um mundo com água e que nós tenhamos uma vida com menos ‘ter’ e mais ‘ser’. No final, consumir é gastar tempo bom com coisa ruim. Se for para gastar algo, gaste seu sorriso e amor com quem merece!

Diego