Perdoar-se é questão de tempo?!

Dizem que existem três coisas que nunca voltam atrás: a flecha lançada, a oportunidade perdida e a palavra pronunciada. Pois bem, você já se arrependeu de ter dito algo? Juro que nunca havia passado por isso, de ser aquele que fere com palavras alguém que ama. Já fui ferido algumas vezes, mas ignorei, relevei, fingi que nada aconteceu e, depois de algum tempo, fingi ter esquecido. Isso me feriu, é claro. Mas, do fundo do coração… Como dói essa coisa de machucar alguém.

Passou o tempo e eu ainda não consigo esquecer as palavras que proferi como defesa e o silêncio que ressoou, o barulho do vento dentro do carro. Sim, eu estava me defendendo. Mas, do que, se eu estava rodeado de amor? Me defendia do meu ego? Da minha fragilidade? Ou do meu erro de querer ter razão ao invés de ser feliz? Por que não me mantive em silêncio? É o que mais me pergunto.

maycow montemor

(foto: Iude Richele – @iude )

Sou da geração do impulso, da prepotência, da conquista das coisas sem valor. Fujo disso, discurso contra isso, mas estou aqui, sentindo a cicatriz da ferida que causei no outro. Pode até dizer que não sentiu, que não feriu, que não magoou… Mas está doendo em mim. Estou ferido e magoado por ter feito e eu não sabia que essa dor podia ser tão grande e tão maior.

Imaginei que nessa Carta ao Leitor eu falaria para vocês sobre resistência em tempos de crise ou sobre reinventar-se para sobreviver no mercado, mas meu coração mandou falar sobre perdão, reflexão, amor e resiliência.

Depois dessa, vou pensar mais antes de falar, independentemente do estado em que eu esteja. Palavras são armas que ferem e cortam de forma invisível. E elas refletem mais em você do que em quem está sendo atacado.

Errar é humano, perdoar é divino e calar é sábio.
Vamos pensar nisso?

Essa é a música que acalentou a escrita desse texto: